Recuperação

“You took my light, you drained me down, but that was then and this is now, now look at me. This is the part of me that you’re never gonna ever take away from me, no (…) Now look at me, I’m sparkling, a firework, a dancing flame. You won’t ever put me out again I’m glowing, oh whoa. So you can keep the diamond ring, it don’t mean nothing anyway. In fact you can keep everything, yeah, yeah. Except for me.”

Part of me – Katy Perry

Estou em fase de recuperação. Recuperando a mim no meio desses últimos acontecimentos. Estou recuperando meu orgulho, minha segurança, meu humor, estou recuperando minha mente, estou me reencontrando. E principalmente, estou recuperando minha alma e meu coração. Por um longo período tudo isso esteve perdido, esteve nublado, na realidade, tudo esteve dividido. No último ano eu aceitei uma verdade, eu aceitei que amar era estar dividido em dois, era ser dois em um, era não me ter mais pra mim apenas. E quando eu aceitei isso acabei me abandonando a uma rotina que não me permitia existir sem ele, sem nós.

Agora, algumas semanas depois do estrago, do fim, eu começo a finalmente me enxergar de novo. Nas últimas semanas eu estive presa, de olhos fechados, de mãos atadas. Eu estava entregue a uma máxima: Isso não acabou, e eu não preciso me recuperar do que não acabou. E quando eu coloquei isso na minha cabeça, acabei apenas pisando mais em mim, me condenando mais e mais a algo que já não existia, não devia existir, e jamais voltaria a ser. Eu me condenei a esperar que ele voltasse, que tudo voltasse ao normal. Mas como eu disse, volto a me encontrar de novo.

Não sou e nem nunca fui assim. Não preciso voltar a ser o tal cubo de gelo que todos conheciam, mas posso ser um meio termo, um meio termo que eu encontrei um ano atrás. Eu sou forte, sei me cuidar, sei olhar pra frente e continuar. Eu sei me esquecer do que não me faz bem, e sei melhor do que ninguém como ignorar aquilo que me incomoda, que machuca. O problema foi conseguir conciliar isso com ter que lidar com a situação sem ignorar ela completamente. Todos sabemos, ou deveríamos saber, que ignorar não resolve um problema, principalmente quando o problema é um relacionamento longo que envolveu uma quantidade considerável de afeto.

Não adianta ignorar que eu o amo, que preciso falar com ele, que ele foi meu melhor amigo, antes de ser meu namorado. Mas descobri que ignorar e não demonstrar são coisas diferentes. Então aqui estou eu, de pé – com muita dor nas pernas porque decidi começar a malhar – pronta pra enfretar isso como eu sempre enfrentei. De cabeça erguida, peito aberto e ferida exposta, porque ferimentos abafados só demoram mais tempo pra se curar…

Anúncios

I Believe

O mais importante para o homem é crer em si mesmo. Sem esta confiança em seus recursos, em sua inteligência, em sua energia, ninguém alcança o triunfo a que aspira.

Thomas Atkinson

Há alguns dias eu venho tenho consecutivas decepções, e essas não tem a ver com niguém além da minha própria pessoa. Tenho recebido alguns nãos do mundo, e isso é apenas culpa minha. Por não me encaixar direito, por não ser o que procuravam, por existirem pessoas melhores que eu, por eu não me destacar em algo que deveria. Tenho recebido nãos por incapacidade talvez, ou talvez porque não seja o meu momento. E com isso eu perdi a confiança em mim, confiança que admito ter sido acima do aceitável, mas que ainda assim perdi. Comecei a me sentir fraca, imprestável, dispensável.

Mas com o passar do tempo, e das muitas muitas respostas contrárias a todas as minhas expectativas, eu vi que estou aprendendo coisas muito importantes, coisas que talvez eu nunca aprenderia por até mesmo não notar que devia. Aprendi que é díficil ser rejeitado (fácil que me rejeitem, díficil receber a rejeição), aprendi que não importa o que eu saiba há alguém que sabe mais que eu, que não importam as minhas qualidades e habilidades há álguém melhor e mais capacitado que eu.

Então basicamente, eu aprendi a humildade. Sim, porque eu achava que era humilde, e agora eu vejo que não era. Essa surpresa toda ao descubrir que de onde eu jamais imaginaria sairia alguém muitas vezes melhor que eu é uma das principais provas disso. Aprendi a ver o não como uma maneira de crescer, de me melhorar, de não desistir e não fraquejar. Aprendi que confiança e arrogância andam por caminhos muito distintos.

E principalmente, eu aprendi a me reerguer queda após queda, decepção após decepção. Aprendi a confiar em mim sem me achar superior, mas a acreditar no que eu sei e posso fazer, para correr atrás dos meus sonhos. Então vida, vem com tudo que eu estou te esperando, pode me derrubar o quanto quiser que eu não vou perder as esperanças, eu não vou desistir, eu acredito em mim e nada vai me parar até eu conseguir!

By:. Viih Loyer.

Palavras apenas…

“Amor não se conjuga no passado, ou se ama para sempre ou nunca se amou verdadeiramente” *

Cansei dessas palavras vazias, palavras de tanto valor, de inestimável valor, que perderam seus sentidos porque foram usadas de forma errada, jogadas ao vento como se nada significassem, como se fossem uma junção aleatória de letras que jamais fizeram sentido algum. E agora todos nós, letrados, estudados, alfabetizados, ficamos sem definições porque as que tínhamos se perderam por conta de alguns desavisados, talvez inconsequentes, alguns tantos tolos que não se importam com o peso de uma palavra.

Estou falando de amor, sempre estou falando de amor… Não foi o amor que foi banalizado como adoram dizer por aí, foi a palavra. Não se banaliza um sentimento, porque ele não pode ser praticado por quem desejar, ele será sentido de acordo com o momento, com a disponibilidade dos corações, ele será sentindo quando ele surgir e ponto. Sentimentos são totalmente independentes, não te pedem licença, não te perguntam se você os quer acolher. Então não venham me dizer que banalizaram o amor.

Simplesmente transformaram a palavra amor em uma palavra que não pode mais conter seu sentido. A explicação que dão para o amor não o explica, e a definição só serve para limitá-lo. E não, a palavra amor já não pode conter o sentido infinito e eterno do sentimento. E essas são outras duas palavras que perderam seus sentidos.

Vamos entender isso rapidamente aqui: eterno é algo que dura para sempre, que é inalterável, constante, enorme, desmedido. Pense nisso na próxima vez que for juntar amor e eterno na mesma frase, e não me cometa a bobagem de afirmar algo que sabe não ser verdade. Não existe eu amava e nunca vai existir.

Amor é aquilo que quando você consegue definir de alguma maneira, é porque você não sente. Amor que acaba não é amor. Amor que acontece de hoje pra amanhã não é amor. Não existe amor a primeira vista, existe paixão a primeira vista, um encantamento súbito que talvez te leve ao amor, talvez não. Amor é pra sempre, e lembre-se, apesar de “sempre” ser uma palavra pequena ela tem um significado imenso, um significado que também deixou de caber na palavra porque as pessoas usam um pra sempre que acaba. Sempre é sempre, todo dia, toda hora, pro resto da sua vida.

O amor é a união de todas as coisas que não somos capazes de definir, quantificar ou limitar. É a união de tudo o que não cabe em sim, de todas as palavras que banalizamos, te todos os clichês que perpetuamos. Amor é a junção do eterno, do infinito e do para sempre ditos muitas e muitas vezes. Vividos muitas e muitas vezes. O amor é. Simplesmente é. Ele é maior que tudo o que você já foi, até porque amor não cabe em uma só pessoa, ele não é feito de “eu sinto” e sim de “nós sentimos”.

* Não sei de quem é a autoria da frase, cada site atribui a uma pessoa então fiquei na dúvida. Se alguém souber COM CERTEZA de que é, por favor, me avise. 😉

Move on …

Chega um dia em que se o homem não deixar tudo para trás não vai para a frente.
Micítaus do ISSÁS

Acho que no fim das contas abrir os olhos e escolher seguir em frente é uma decisão que a maior parte de nós optou desde o início por ignorar. Uma forma que arrumamos de nos prender  ao conhecido e decidir que nada do que possa vir da mudança será algo bom para nós.E talvez seja apenas o momento para ser capaz de ver os benefícios da mudança.

É parte de crescer aceitar que as coisas mudam, elas mudaram e vão mudar. Um ciclo interminável de situações que vão te mudar, mudar as coisas a sua volta, e fazer você ter que mudar por elas e elas mudarem novamente porque você mudou… Eterno meu caro, apenas eterno.

Temos que aprender que não é fraqueza assumir e aceitar que algo não pode mais ser alterado. Depois de um tempo, não aceitar isso é apenas teimosia, extrema necessidade de mandar em tudo. Você não é mais covarde ou menos merecedor porque desistiu de alguma coisa, porque viu que não vale mais a pena ou o esforço. Você apenas aprendeu o momento de se retirar, aprendeu a reconhecer que se machucar não muda absolutamente nada.

Nem tudo que acaba termina, é o que dizem. Não sei se faz bem pensar assim, esperança é uma coisa, obsessão é outra completamente diferente. Veja bem, são dois lados: um que te torna preso e infeliz por esperar que aquilo volte a acontecer.Uma eterna apreensão e um eterno medo de ter que lidar com algo que já não deveria existir. E no outro lado a eterna esperança, a vontade de que haja um recomeço para que a sua vida e o que já aconteceu nela ganhem algum tipo de sentido bobo.

E para que tudo isso?? Talvez a coisa definitivamente acabar seja a sua redenção e liberdade, seja o meio mais simples de você realmente viver, mas agora sem ter que ficar baseando o seu futuro e as suas decisões em algo que já não te faz mais bem algum. Seguir em frente não é abandonar, esquecer, deixar de amar ou trair. Seguir em frente é simplesmente se dar uma nova chance…

Um bom pressentimento .

Ah, estou muito feliz em informar. Eu o encontrei! Ele estava escondido, entre algumas coisas velhas, lembranças e os meus planejamentos para o futuro. Ele estava bem debaixo do meu nariz para falar a verdade, acho que é só por isso que eu não o estava encontrando. Mas estou muito feliz em informar que eu recuperei o meu sorriso! Encontrei ele da forma mais cheia de classe possível, cuspindo todo o bolo que estava na minha boca por causa de uma piada. Não sei porque tenho essas tendências de rir enquanto como…

Mas falando sério – e sem perder o sorriso – estava na hora não é mesmo? As pessoas tem passado tempo demais se lamentando e chorando. Mas meus caros senhores, merdas cagadas não voltam ao cu. Vamos dar muitas interpretações aqui, ok?! Uma briga já aconteceu e você não tem como fingir que não aconteceu, uma pessoa te magoou e você não pode fazer ela te desmagoar, a vida ferrou com você trocentas milhões de vezes, mas se tem alguém que jamais te pedirá desculpas, esse alguém é a vida.

Então, você pode até alegar que não é sua culpa as coisas terem dado completamente errado pra você. Mas é de sua total responsabilidade resgatar seu sorriso e sua felicidade. E assim como dinheiro chama dinheiro, felicidade chama felicidade. Você pode começar lentamente com aquele sorriso meio torto, de quem não quer tirar foto na festa. Aquela coisa assim meio vai não vai, de quem já não está mais acostumado a ser feliz. Mas em algum momento ela vai te consumir. E você vai sorrir pra nada, porque é assim que a felicidade te deixa… Um pouquinho idiota.

Mas há em todos nós uma força, e ela nos impele a continuar. Por mais que pareça que nada no mundo vai funcionar, a gente sempre continua. E se a gente consegue acreditar que tudo vai dar certo no final, então vamos acreditar com um sorriso no rosto.

Amigoo .

A amizade é um amor que nunca morre.

Mário Quintana

Eu estou sentindo falta de uma pessoa hoje. A gente acha que pode viver com alguém, passar um tempo considerável com ela e depois esquecer. Mas é impossível. É como naquela história em que a vida é um tecido, onde cada vez mais fios e detalhes são adicionados, mas você não pode depois de um tempo tirar um fio que está no meio do tecido, ou todo o resto seria desfeito.

É impossível esquecer as pessoas. Todos aqueles com quem convivemos de forma marcante acabam se tornando uma parte de nós, e ninguém é capaz de deixar uma parte de si. Com o tempo é claro, aquela parte vai se tornar menos importante, menos inquietante, mas ela sempre estará lá. Sempre que você se der espaço para lembrar dela.

Também tem muito a ver com o amor. Porque realmente, quem é capaz de esquecer verdadeiramente um amor? Se você esqueceu meu amigo, então sinto em te dizer, você não amava. E eu não estou falando aqui de amor de casal, estou falando também de amor de amigos, de família. Amor, no sentido mais amplo da palavra.

Então bem, estou sentido falta de alguém hoje. Falta da cumplicidade, do carinho, das conversas intermináveis, da compreensão. Sinto falta do apoio, e de verdade? Até das discussões eu sou capaz de sentir falta. Sinto falta de compartilhar segredos, de ser entendida por um olhar, ser avisada com um simples toque. Ah, eu sinto falta daquela amizade toda. Dos nossos sorrisos e das nossas lágrimas, que convenhamos, foram muitas e diversos momentos. Sofremos muito um pelo outro… Mas até que não foi assim a pior coisa do mundo.

A gente deixa de fazer parte da vida das pessoas muito facilmente. E em alguns momentos eu queria que fosse um pouco mais complicado, eu acho que queria mais chances de dizer tudo o que não foi dito, mais chances de olhar nos olhos e saber que tem muito sentimento esperando, pedindo, implorando para ser expresso, mas eles continuam ali dentro presos.

Eu sinto falta dele e da amizade dele, porque hoje eu finalmente entendi que entre nós um relacionamento além de amizade é besteira, é sonho de conto de fadas. Mas ainda é frustrante saber que quando temos que ser só amigos, nós somos nada. Mas ainda assim, nada muda o fato de que eu ainda penso no conselho que ele me daria, e que eu provavelmente ignoraria, e eu ainda penso no sorriso dele, que era capaz de iluminar meu dia. Eu sinto falta do meu amigo. Por mais que poucos sejam os que acreditem que é do amigo que eu sinto falta…

Mas eu queria muito ter a chance de perguntar pra ele como ele está, como vão as coisas. Eu queria perguntar pra ele se ele está feliz. Eu queria ter a chance de dizer que eu ainda me importo, queria que ele soubesse que eu sempre vou me importar… Porque no fim das contas, esse é o papel dos amigos não é?! Estar sempre lá, mesmo sem poder estar.

By:.  Viih Loyer

Praticamente 18 …

Mais um ano longe de ser criança? Isso não me parece ser o mesmo que crescer.

Richard Bach

Nesses dias eu andei com medo de ver o tempo passando. Sabe quando você quer que o tempo fique ali, praticamente estático, mas ele faz questão de só por isso passar por você indefinidamente? E então, num piscar de olhos, dias, semanas, um mês já se passou. Juro que estou nesse momento meio perdida, procurando achar esses dias que eu não vi passar, que eu não me senti vivendo. Esses dias que transcorreram de uma forma tão neutra e vazia de fortes emoções, que as muitas horas passaram por mim, mas eu não passei por elas.

O problema é que eu tinha um motivo para querer ver o tempo não passando. Eu estava assustada, com uma besteira, mas ainda assim assustada. na próxima terça-feira eu faço 18 anos. E desde o segundo que os meus 17 se tornaram oficiais eu comecei a temer por esse dia. É apenas uma oficialização de algo que já vem acontecendo ao longo dos últimos dezoito anos, mas não deixa de ser estranho. Daqui a alguns dias eu acordarei e serei legalmente responsável por mim. Na prática quase nada muda, pelo menos não por agora, mas fazer dezoito anos, de certa forma é ligar a contagem regressiva. Logo, eu serei uma adulta, com uma vida de adulta.

Eu estava me afogando, me sufocando com essa sensação. Com esse medo insano de que eu me tornaria adulta. Foi quando ontem a minha mãe me disse uma coisa que foi um banho de água fria pra mim: “Sabe Virgínia, eu tenho saudades de quando você era criança. Você tinha vontade de tudo, de todos, você queria abraçar o mundo. E de certa forma fazia isso, com pernas bem menores e com bem menos liberdade. Queria saber onde foi parar aquela Virgínia…”

Quando eu escutei isso, notei que eu não estava com medo só de ficar mais velha, de ter que ser mais responsável, ou de ter que finalmente arcar com as consequências dos meus atos. Eu na realidade estava com medo de perder uma parte de mim que eu sempre amei, e que sempre acreditei que todas as pessoas tivessem mas que com o passar do tempo acabavam perdendo. Eu tinha medo de perder o meu olhar de criança. Sabe? Aquele que te faz perdoar qualquer coisa, que te faz ver sempre o lado bom de qualquer coisa, aquele que te impele a abraçar alguém sem qualquer motivo aparente. Aquele olhar que não julga, apenas estimula. Aquele olhar de quem mesmo não sabendo nada vida, sabe viver.

E quando a minha mãe me disse isso, eu notei que eu já perdi o que eu mais temia perder. O que eu sou hoje? Eu sou mais uma pessoa que ficou chata por causa da vida. Do tipo que não sorri na rua, que se irrita a toa, que perde as estribeiras de bobeira. E notar isso foi o meu primeiro passo pra sorrir.

Não importa se eu vou ter 18, 20 ou 30 anos. Importa que eu continue acreditando, crescendo sem perder o que de mais bonito já nasceu junto comigo.

By:. Viih Loyer