Uma casa não é um lar

“A verdadeira família é aquela unida pelo espírito e não pelo sangue”
Luiz Gasparetto

Agora me apeguei a esse negócio de contar crônicas, e portanto, tenho uma nova.

Estava eu na escola conversando com minhas amigas, até que alguém mencionou aquele fato deplorável do sujeito que era filho adotivo do dono do Rei do Bacalhau (restaurante aqui do Rio). Então começamos a falar sobre essa questão de adotar ou não adotar. Nessa conversa eu ouvi alguma das frases que mais me enojaram na vida, e aqui vão elas:

“Eu nunca adotaria ninguém, a pessoa já vem com um gênio pronto. Pode ser um bebê, mas sempre vai vir com as coisas na cabeça”

“Acho rídiculo esse monte de artista que fica adotando uma porrada de criança, é tudo jogada de marketing”

“E a Madonna? Com aquele bando de pretinho junto com ela?”

“Não sei pra que adotar, nunca serão filhos mesmo. É muito melhor criar um orfanato e fazer boas doações pra ele”

Agora deixe-me comentar cada uma dessas. Primeiro, criança nenhuma vem com gênio pronto, gostaria muito de saber de onde tiraram isso. O caráter se forma junto com o crescimento, e não necessáriamente a criança vem com ele. Pode acontecer de uma criança dar problemas? Sim. Mas isso independe de ser um filho biológico ou adotivo. Quantos pais de filhos legítimos sofrem com os filhos que criaram e que saíram de suas entranhas. Absurdo é achar que porque a criança não é sua filha ela será uma descontrolada, assassina. Tudo depende dos pais que criam.

Quanto aos artistas adotarem. Deus do céu, marketing? MARKETING? O cara adota um monte de crianças pra aparecer? É isso mesmo que alguns pensam? Simplesmente agora porque uma pessoa é artista ela não pode adotar então, talvez os artista não devessem mais casar, é marketing, nem respirar, porque nossa, gastar o oxigênio do planeta é marketing. E se eles adotam não importa o motivo, o que importa é que eles foram capazes de fazer uma boa ação que poucos tem coragem de fazer. Eles ao menos se importaram o suficiente para fazer alguma coisa.

A da Madonna eu acredito que foi de longe a pior. Além do desdém com adoção, com relação a artistas, ainda trouxe a tona um tipo de preconceito que eu mesma já não presenciava a muito tempo. Que importa a cor deles? Serei realista aqui ao dizer, realmente é difícil adotarem crianças negras. Então se a Madonna fez isso, palmas pra ela. Que ajudou crianças que tem ainda mais dificuldade de arranjarem um lar.

E a última… FAMÍLIA, será que alguma vez essas meninas já pararam pra pensar no significado dessa palavra. Nada no mundo substitui um lar, o amor dos pais, o afeto, carinho e compreensão. Nada substitui a sensação de ser protegido, criado, educado por alguém. Não só os pais, mas os tios, tias, avós, primo, talvez irmãos. Doação nenhuma é capaz de fazer o que o amor faz. Quem sabe eu seja um pouco apegada demais a minha família, e por isso não consigo achar justo que crianças por aí não possuam também.

Talvez seja bom mesmo que essa minhas amigas não queiram adotar, Deus livre as crianças de pais como elas. E é por pessoas pensarem assim que o mundo está como está. Ninguém mais pensa no outro. Só no que vair ser bom pra si, no que vai trazer lucros. Nunca pensando naqueles que precisam, mesmo que apenas de atenção. Entrar em um orfanato e ver naquelas crianças o quanto precisam de auxílio é mais que suficiente pra provar o quanto dinheiro e teto pra morar não são tudo na vida.

By:. Viih Loyer

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s